Companhia de teatro de Braga. Gostava de estar viva para vê-los sofrer!

NÃO QUERO QUE NINGUÉM ME CONFORTE

Com estas palavras, “não quero que ninguém me conforte”, Emma opõe-se ao esquecimento e recusa-se a mitigar a sua própria amargura de vida, causada por todas as perdas que as guerras lhe provocaram.

Guerras no plural, porque Max Aub escreve De un tiempo a esta parte em 1939, entre o final da Guerra Civil Espanhola e o início da Segunda Guerra Mundial, e coloca a sua protagonista na encruzilhada entre os dois conflitos, entre todos os totalitarismos que varreram a Europa naqueles anos.

A aniquilação da identidade austríaca decorrente do Anchluss, a anexação da Áustria ocorrida em março de 1938, transforma-se, assim, numa metáfora sobre a usurpação da identidade pessoal de Emma. O seu doloroso vínculo à Guerra Civil Espanhola, devido à morte do filho e à depuração do marido na Viena ocupada, materializa-se em duas feridas abertas numa mulher que percorre como um fantasma as suas próprias memórias, obrigada a ser a criada da sua própria casa e da sua própria vida.

À deriva numa ilha de lembranças, de anseios, de sofrimento, navega por um mundo que foi e nunca mais voltará a ser, com um desejo de justiça e de vingança que a agarra à vida com firmeza e determinação, com as poucas forças que lhe restam. Gostava de estar viva para vê-los sofrer é uma forma de sobreviver a todas as injúrias e a todos os esquecimentos. E, apesar de tudo, esta mulher, fustigada pela vida e pela história, decide seguir em frente, viver, lutar e, acima de tudo, recordar, porque, como ela própria diz: se não houvesse memória, viveríamos para quê?

Trazer Max Aub ao palco é uma oportunidade para fazermos esta e muitas outras perguntas sobre a identidade, sobre o que somos e o que perdemos, cada vez que ignoramos aqueles que foram forçados a deixar o seu país e a sua vida, acabando por ser condenados à prisão perpétua do esquecimento.

 

Ignacio García

Braga, outubro de 2020

 

FICHA ARTÍSTICA

Encenação: Ignacio García

Cenografia: José Manuel Castanheira

Figurinos: Manuela Bronze

Desenho de luz: Bohumil Palewic

Desenho de som: Ignacio García

Tradução: Ivonete da Silva Isidoro

Assistentes de encenação: Solange Sá e Grasiela Müller

Realização de vídeo: Frederico Bustorff

Interpretação: Ana Bustorff


DISCIPLINA
ARTES CÊNICAS

QUANDO
14/12/2021

ONDE
Theatro Circo
Av. da Liberdade 697
BRAGA

BILHETES
COMPRAR

SITES
Compañía de Teatro de Braga

COLABORAM
Theatro Circo

© 2021-Ministério da Cultura e Esportes, Todos os direitos reservados – Condições de utilizaçãoPolítica de privacidadePolítica de uso de cookies. Web design por Accionlab

This site is registered on wpml.org as a development site.